quarta-feira, outubro 15, 2008

o lugar que moro

Qual a mensagem dum apartamento sem móveis? Um apartamento com caixas cheio de coisas que não se sabe o dono, que não tem lugar, mas que ocupa o mesmo espaço a mais de dois anos? Uma gaveta sem cômoda ou armário que guarda dvds, uma mesa de bar segurando uma televisão, uma outra caixa coroada por um video-game.

Um apartamento sem alma é um lugar provisório. Não há móveis porque a qualquer momento pode se ir embora, esse lugar é um limbo, um espaço transitório entre o antes e o depois.

Mas o antes é algo que nem se lembra mais, de tão longe. O depois é ainda mais indefinido, uma névoa cinza, ou azul ou negra ou branca, qualquer cor que represente o dia.

Moro num lugar pronto para a mudança - se decidir ir embora agora, tudo é muito fácil de se arrumar. Moro num lugar que diz: não viemos pra ficar, não sabemos pra onde ir.

2 comentários:

agente laranja disse...

É curioso notar como os lugares podem ir se tornando assim ao longo do tempo. O quarto em que você cresceu de repente começa a parecer um quarto de pensão, depois de pousada, depois de hotel. Que coisas são essas, por que ainda estou aqui?

Celinho disse...

Ah, muito dificil dizer o que é a nossa casa realmente, o que sao as nossas coisas.. qdo vejo moveis e objetos pessoais na rua penso que muito das pessoas que jogaram aquilo estao ali, no chao, na rua.. Mas ao mesmo tempo as coisas que estao na rua jogadas nao tem mais o mesmo signficado, sao apenas objetos..