terça-feira, março 27, 2007

a cidade e eu

São Paulo, hoje, é tudo que não mostrei a ela, tudo que não reteve seus passos e que, então, continua morto. E o que reteve é tão cheio de vida, que ficou leve e descolou da cidade. São Paulo, agora, está morta como uma fotografia sem contraste. Nesta cidade morta (limbo), sou um fantasma com necessidade de inferno.

4 comentários:

Q disse...

fantasma com necessidade de inferno... q forte... e um pouco enigmático... desenvolva, companheiro!
;)

Guilherme disse...

não é pra ser desenvolvido =P

Camila disse...

(momento idiota)
e só descer mais um pouco a augusta que você chega lá.
(/momento idiota off)

Cecília disse...

Não é preciso dizer mais nada... mais um dia chuvoso e uma angustia...