quinta-feira, novembro 09, 2006

onde está?

Ás vezes sinto uma vontade enorme de ser cruel, de tocar na ferida, de ser o estereótipo do ciumento (aquele ciúmes que não tem base nenhuma, que é baseado no nada quando não tem mais porquê de ser), de agredir só pra ver a reação do outro, pra ver seu olhar quando eu der o tapa simbólico, pra ver se a pessoa vai me xingar, se vai chorar, se vai sair andando. Já notei que eu testo as pessoas, nada muito premeditado, mas quando percebo estou levando as situações até o limite, só pra ver o que acontece. Um pouco de suicida nisso. Hum, suicida não, kamikaze, eu também levo o alvo neste ataque.

Mas não consigo nada disso. Não consigo ser cruel quando quero, não dou show, não faço cena - emudeço e olho pro outro lado, dou uma volta, vou ouvir música, ajo diferente.

Sinto falta da minha agressividade, ela me fazia ficar na ponta dos pés, na ponta da pele, à flor. Desde então me sinto apático, e faz alguns anos que não me reconheço em muitos dos meus atos. Talvez eu seja outro e ainda não percebi.

3 comentários:

Marcio disse...

acho q isso se chama amadurecimento. eu acho bonito a agressividade, mas tenho consciência do ridiculo q é na minha atual fase da vida. é como querer recuperar uma juventude perdida. é quase patético. prefiro ser patético com o que me cabe no agora. seria sabedoria isso? para mim é apenas uma paladar melhor para a cachaça... abs.

Guilherme C. Freitas disse...

deve ser por isso que provavelmente não faço, mas sinto falta da energia, não achei um substituo a altura.

e como já faz 3 meses que não bebo... a cachaça não é mais alento

joana disse...

agressividade é legal, bonita sim... mas é egoísta, acho que é resposta pra uma conclusão particular, quando não deve ser. Não falo com muito conhecimento de causa... comigo acontece o contrário, sinto falta da joana que não sentia ciúmes, que não tinha essa vontade de dar pontada. Será amadurecimento ao contrário? oh!